Por que travamos sob pressão.

Até certo ponto, pressão faz bem: você se esforça mais e performa melhor sabendo que tem mais a ganhar (ou a perder). Mas tudo tem limite – e, depois dele, você trava.

Extraído: https://super.abril.com.br/comportamento/por-que-travamos-sob-pressao/

Já falamos há um tempo, por exemplo, da relação entre ansiedade e incentivoque faz pessoas ansiosas tomarem decisões melhores. Mas não é só o raciocínio que pode ficar mais rápido quanto a coisa fica tensa.

Quanto maior a recompensa de um desafio, em geral, melhor a nossa performance nele: até a coordenação motora costuma melhorar.

Mas isso até certo ponto. Quando a pressão é alta demais, e há muito a ganhar (e a perder), a maioria das pessoas trava – e a habilidade cognitiva piora.

Esse fenômeno já foi amplamente registrado em atletas: quanto mais acirrada uma disputa, mais eles vão superando suas próprias capacidades até que pá – eles atingem o limite de pressão que conseguem suportar e, rapidamente, o desempenho vai caindo. A situação é conhecida, em inglês como “choking point”, o ponto em que o atleta metaforicamente “engasga”.

Uma nova pesquisa entendeu melhor o que acontece no cérebro quando atingimos o tal choking point. E o mesmo estudo ajudou a entender porque, afinal, o corpo parece responder tão bem a desafios até esse limite.

Existe uma área envolvida no controle motor chamada corpo estriado ventral. O corpo estriado em si é uma região que se mete em todo o tipo de atividade cognitiva que você desenvolve: aprender, tomar decisões, fazer planos e torná-los realidade, mas também motivação, reforço e percepção de recompensa.

Muitos desses processos diários acontecem sem que você perceba. E, segundo estudos de neuroimagem, a maior parte dessas etapas envolve uma atividade razoável do corpo estriado.

Nessa região, existe a tal da área ventral, que é ligado ao sistema límbico – a região mais conectada com as nossas emoções. De tudo isso, os cientistas tiram que a região ventral do corpo estriado, portanto, tem tudo a ver com o “controle motor emocional” – o que pode ajudar a explicar porque a pressão e o estresse tem um efeito tão claro sobre a coordenação motora, por exemplo.

Agora, de volta ao choking point. Em um experimento recente de imagem, cientistas foram desafiando voluntários em pequenos jogos, nos quais eles podiam ganhar recompensas cada vez maiores (mas onde o risco de perder o que eles tinham por um mero errinho também subia).

O joguinho, vale dizer, era uma tarefa tanto física quanto mental: exigia coordenação motora para clicar nos lugares certos. A performance dos participantes ficava melhor quanto maior a recompensa, como já vimos: eles cometiam menos erros na brincadeira quando iam ganhar mais. Até, claro, a pressão ficar grande demais. E aí eles erravam muito mais do que no início.

Olhando para a atividade cerebral dos participantes, os cientistas perceberam que o corpo estriado ventral vai ficando cada vez mais ativo conforme o desafio aumenta. Mas, quando o medo de perder fica grande demais, a atividade diminui – e a conexão com o controle motor no cérebro também cai.

O que os pesquisadores observaram é quase que uma queda de disjuntor na sua casa. Quando você aumenta demais a demanda energética do sistema – ligando aparelhos demais de uma vez – o disjuntor interrompe o fornecimento de energia para proteger a estrutura como um todo. Os cientistas acreditam que estão vendo um fenômeno parecido no cérebro dos participantes.

Falta muito para entender o fenômeno completo. Tudo indica que a conexão com o sistema límbico seja importante aí: você tem o medo piorando as habilidade e a queda das habilidades deixando o participante com ainda mais medo de perder… E aí, não tem jeito: você trava, mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *